ENTREVISTA COM NADIA BROWNING

Nadia Browning
1.Como você conheceu a Comunicação Alternativa?

Tenho uma estória longa e uma curta, vou contar hoje a curta! Conheci os Símbolos Bliss em 1980 durante uma visita à instituição que hoje se chama Holland Bloorview Kids Rehabilitation Hospital em Toronto, Canadá (http://www.hollandbloorview.ca/). Na época eu vinha trabalhando em Niterói e Rio como Terapeuta Ocupacional com crianças com paralisia cerebral e achei o conceito da Comunicação Alternativa e o método Bliss fantástico, como auxilio na comunicação e interação com a criança. Foi paixão a primeira vista! Foi ai que eu fiz o curso e treinamento especial para trazer a CA para o Brasil.

2.Conte um pouco da sua experiência na área de CA.

Bem, esta é certamente uma história longa pois estou na área de CA há 32 anos, avaliando, atendendo, indicando e acompanhando, pesquisando, lecionando em universidade, ministrando cursos pelo mundo e etc. Depois de trabalhar 19 anos no Canadá fui para a Alemanha, mas continuo com o meus pés no Canadá e meu coração no Brasil. Agora mesmo trabalhei 10 meses no Holland Bloorview Kids Rehabilitation Hospital – emocionante estar na organização que me despertou para a área de CA. O ultimo workshop que dei foi na Rússia onde também dei supervisão de crianças em orfanatos para deficiência. Uma experiência única!

3.Como você vê o trabalho em equipe ?

Essencial! Importantíssimo! Já dizia o meu pai: várias cabeças pensam melhor do que uma. Existe uma riqueza de conhecimento em cada pessoa. O desafio é apresentarmos a nossa idéia como base no conhecimento (Evidence Based Practice/Pratica Baseada em Evidências http://www.asha.org/members/ebp/), respeito, e manter o cliente como foco principal. Como cliente eu aprecio ser valorizada, ser bem informada, ter a opção, e ter o meu caso discutido em equipe. Como profissional da área, me enriquece trocar idéias com outros profissionais. Eu adoro ter a minha mente estimulada com questionamento e pontos de vista diferentes.

4.Que dicas você daria para quem está iniciando este trabalho?

Ser bom ouvinte, ter a mente aberta, e ter como objetivo trabalhar junto com o cliente (e sua família). E, quando não souber, dizer com naturalidade: Não sei ! E dizer com interesse: Vou me informar! Focar nas situações de sucesso em que o cliente vivenciou. Para que focar nos problemas? Acreditas que iremos “consertar” o problema do outro como conserta-se um carro? A compreensão da vivencia que nos levou ao sucesso, abre portas para novas experiências de sucesso. (http://www.solutionfocused.net/solutionfocusedtherapy.html). Focar em prover oportunidades e ensinar o cliente. Freqüentemente não sabemos tudo o que o cliente de CA entende, conhece ou pode fazer, precisamos prover o cliente com oportunidades (atividades que tragam sucessos, prazer, recompensas) e paralelamente irmos aprendendo juntos com este cliente. Aprendendo como melhor ensinar este individuo. O começo é sempre por modificar o meio ambiente e informar (e trabalhar junto com) as pessoas que cercam o usuário de CA. Posso continuar a conversar sobre este assunto por mais 3 dias (ou 500 paginas), mas vou parar por aqui e agradecer muito o carinho, interesse e oportunidade dessa entrevista. Obrigada Adriana e o comitê da ISAAC Brasil. Desejo “sucesso” no seu caminho.